FADAS

“Não deixe que um rosto meigo e um sorriso cativante esconda a verdadeira natureza delas.”

– Aradiana, de Azuleno sobre as fadas.

CARACTERÍSTICAS: (Apenas Fêmeas)

Cabelos: Loiro, Roxo, Verde, Rosa ou Ruivo.

Olhos: Azuis.

Pele: Branca, Azul ou Verde.

Altura/Peso Médio: 1,50m/40 Kg.

Maturidade: 15 anos.

Estimativa de Vida: 750 anos

 

Movimentos: 6 quadrados.

Visão: Penumbra.

Bônus Habilidade: +3 Carisma  e +2 Inteligência.

Bônus de Perícia: +4 Natureza, +2 Blefe, +2 História, +2 Arcanismo.

Origem Faérica: Os ancestrais dessa raça são nativos das terras das Fadas, portanto são consideradas seres do tipo fada para efeitos relacionados à sua origem.

Falar com Animais: As fadas sabem falar o idioma dos animais, e usam esta habilidade como se fosse um poder sem limite. Este poder não muda a inteligência das criaturas: Uma fada conversando com uma galinha dificilmente obteria um dialogo sem fundamentos lógicos ou úteis, mas facilmente descobriria onde há minhocas.

Néctar das Fadas: As fadas podem produzir seu próprio alimento, a partir do uso de flores vivas. Uma flor é capaz de sustentar uma fada por um dia inteiro, enquanto outras raças não se sentiram alimentados como com alimentos comuns.

Passo Selvagem: As fadas ignoram o terreno acidentado ao realizar um ajuste (mesmo quando usam poderes que permitem ajustar diversos quadrados).

Abasbacado: Os ataques mágicos ou similares possuem uma dificuldade de +2 para acertar uma Fada.

Idiomas Naturais: faérico, élfico e silvestre.

Idiomas Adicionais (escolha seis): orc, gigantes, anão, nohïm, mantaro, rayvodios, ilitio, ignea, abissal, celestial, subterrânea, shayês, alamir, fada, halfling, drow, centauro ou dracônico.

Jogue com Fadas se quiser…

  • Ser Elegante e Misteriosa.
  • Ser Estonteante e Mística.
  • Falar com animais e alimentar-se de plantas.
  • As Fadas privilegiam as classes: mago, druida e bardo.

 

As Fadas são muitas vezes confundidas como fêmeas de elfos, o que não é de todo mentira, já que elas não possuem macho e precisam dos elfos para se reproduzirem. Naturalmente as fêmeas elfas não simpatizam com elas, e por este motivo é muito raro encontrar fadas vivendo em civilizações élficas.      Também não é incomum que elas se acasalem com humanos, mas desta união nunca nascera uma fada e sim um mestiço (meio fada). As crias só nascem Fadas quando a união vem com um elfo ou um fauno: se menina nasce Fada, se menino elfo ou fauno.

Quando crianças as Fadas são gordinhas e carecas, quase não se movem de tanta gordura. A única coisa que elas fazem é comer e dormir (neste estagio as fadas não sabem nem mesmo falar). Após doze anos elas começam a criar seu casulo e dentro dele permanecem até a maturidade, quando saem completamente modificadas: com a aparência de mulheres belíssimas.

 

História: Dizem que assim como os elfos, as Fadas foram criadas pela deusa Govenga, no entanto a função inicial das Fadas não era cuidar proteger as florestas e sim ensinar as plantas a se alimentar e defender-se de outras criaturas. No entanto as Fadas tinham uma tendência pacifica e se recusaram a ensinar as plantas a lutarem. Quando ouve a destruição das matas, Govenga castigou as Fadas arrancando-lhes suas asas. As Fadas se refugiaram para o exílio e fizeram sua comunidade em Sídhe.

Durante milênios elas ficaram ocultas, mas esta reclusão as deixou mais fracas e inocentes em relação aos perigos do continente. Não foi difícil para que os goblinoides destruíssem sua comunidade ainda na era branca.

A ajuda dos elfos e centauros foram determinantes para a vitória e enfim liberdade das Fadas.

Assim as Fadas passaram a abrir as fronteiras para o resto do continente, comercializando e se atualizando as questões sociais e políticas de Digared.

 

Sociedade: as Fadas se assemelham a abelhas: uma rainha detém todo o poder e reina absoluta. Esta é protegida por fadas poderosas e insetos gigantes. Uma unidade militar de Fadas vaga por Sídhe procurando manter a ordem. As demais Fadas são como as abelhas operárias: Vagam atrás de plantas retirando seu néctar e levando para a rainha. As fadas trabalham apenas na Primavera, e por isto precisam trabalhar muito para que possa desfrutar do restante do ano, principalmente o inverno, quando as Fadas geralmente hibernam.

As Fadas aventureiras são raras, mas existem. Geralmente elas se adaptam a cultura dos elfos ou até mesmo dos humanos. Estas fadas geralmente não retornam para Sídhe, e são conhecidas pelas outras como maculadas.

 

Características das Fadas: Bela, estética, ponderada, evasiva, livre, senil, alegre, paciente, ordeira, sobrenatural, perceptiva, graciosa, teimosa, crédula, gentil, sensível, curiosa, mágica, leve.

 

Nomes de Fadas: Alven, Anahita, Anjana, Anna, Aoibhell, Araptes, Argay, Arianrhod, Baba, Befana, Bianca, Branwen, Brigid, Caillfach, Carlin, Davey, Daysi, Fiemme, Fylgia, Girle, Gwragged, Habundia, Havmand, Holda, Jurasmate, Kasagonaga, Kolyada, Lauma, Licke, Lorelei, Maya, Melusia, Morgana, Morrigan, Nubyh, Ruchella, Sirana, Skogsra, Tansy, Tinkerbells, Urgandia, Xinaun, Vivian, Viviane, Volpatto, Zana.

 

Vestimentas: as Fadas se vestem sempre com cores vivas como verde, azul, vermelho e amarelo. Suas peças de roupas também são bem leves e femininas como saias, vestidos e chambres.

Elas buscam sempre se atualizar com as roupas das fêmeas humanas mais próximas e as ajeitam ao seu modo. As fadas não buscam uso de jóias ou metais preciosos. Elas preferem tiaras de flores, colares e brincos de sementes e cristais comuns.

As Fadas produzem perfumes a partir de essências de flores e frutas, os quais elas sempre usam em demasia.

 

Aventureiros Fadas

            A seguir são descritos três exemplos de aventureiras fadas em Digared.

Wiven apreendeu magia com as três fadas magas de Lapoesh que foram designadas por Aurin para proteger a Serpente de Gelo. A jovem fada e outras colegas seriam selecionadas para cumprir os detinos das anteriores, mas após um ataque de goblinoides liderados pelo Anel Vermelho, todas as jovens fadas magas foram mortas e suas matriarcas capturadas pelo maligno bruxo. Wiven fora a única que escapara, por ter chegado alguns minutos atrasada. Mas agora as chances de todas as fadas de Lapoesh estavam nas mãos da jovem maga.

Daynen viveu cem anos entre os nohëans, por ordem das fadas rainhas. Tornou-se druida e até mesmo casou com um bravo guerreiro, até que este morresse de velhice. Com o fim da missão ela fora convocada de volta para Sídhe. Mas logo nesta época, os nohëans estavam recebendo ameaças dos orcs e ela seria mais do que nunca nescessaria para ajudar seus aliados. Daynen recusou as ordens das fadas e escolheu viver e lutar pelos humanos do norte.

Maihara alegrava a rainha das fadas, com sua música, em Misthuvil, uma comunidade mista (humanos e fadas) e pequena no sul do continente. Em um determinado dia, enquanto limpava sua flauta para uma apresentação de gala, a curiosa Maihara ouviu que sua ama planejava matar todos os humanos da aldeia, utilizando-se de um artefato maligno, e duas de suas leais sudidas estavam indo em busca dele. A barda Maihara fugiu e reuniu alguns companheiros para impedir o plano da maligna rainha.

Anúncios

Deixe um comentário

Nenhum comentário ainda.

Comments RSS TrackBack Identifier URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s